com a benção do Bussunda: fala sério!



Em um ano e meio de total desgoverno o Brasil virou no plano internacional mais uma Coreia do Norte, outra Venezuela, uma Hungria a mais...Em vez de softpower e respeito dos pares, têm-se suicídio ambiental, depreciação dos Direitos Humanos, uma economia salazarista repaginada em Chicago, o agravo sistemático ao luto do covid19. Pra arrematar: Bolsonaro, os olavetes e seu circo de horrores.


Assim nos sentimos, os mais de 70% que o ex-tenente insubordinado desconhece solenemente em seu desgoverno. Assim nos vêem Oropa, França e Bahia. Se for necessário apontar uma fazedura, uma laboração pra esses muitos meses, sobra apenas o muro que nos divide, antagoniza, inimista. Pena que a história não tenha muros como marcos civilizatórios, mas sim testemunhos de fracassos lamentáveis.

Esperançando pela vacina, voltamos forçosamente ao impeachment. São dois anseios lógicos, que fazem todo sentido. Com tudo o que possa implicar esse último.

Espantam apenas nesse nosso transe repetidos atentados à racionalidade, ante os quais só mesmo o recurso ao genial bordão de Bussunda: fala sério!


Considerados antecedentes históricos e pessoais, os que pedem intervenção militar acham mesmo que um golpe de século XX confirmaria no poder um tenente desrespeitoso da hierarquia, apóstolo da anticiência, recorrentemente associado a milícias?

Generais da reserva ou ainda na ativa que se abolsonaram, ao fracassarem em seu aparente desígnio de controlar o Capitão, crerão ainda que ilustraram suas biografias e currículos? Que teriam espaço em um governo refratário ao personalismo e ao filhismo?

Olavetes de todos os calibres, convicção e credulidade imaginarão, realmente, que a memória persistente da Intentona garantir-lhes-ia a sobrevivência em uma ordem de formação positivista e republicana?


Fala sério...Ou já estaremos no pior dos mundos, em que impostores, trapaceiros, farsantes acreditam em suas patacoadas, fabulações e imposturas.

Valham-nos todos os anjos e arcanjos!



©2017 criado por Afonso José Sena Cardoso