foi bom pra Você?


E veio o 7. Começou na verdade em 2013, que já dera no desastre anunciado de Dilma-Temer 2 ("A Sequela"). O mesmo 2013 que começara na verdade no maremoto mundial de 2008. O mesmo que Lula viu chegar às nossas costas como "marolinha"e da qual fomos, efetivamente, em boa medida, ainda que temporariamente, poupados pelo oportuno coquetel de juízo e sorte.

Foi o 7 do desemprego, do desengano, do desmando. O 7 do populismo descarado, à direita e à esquerda. O 7 da irracionalidade do fundamentalismo religioso e da hipocrisia moral. Também o 7 do revolucionarismo doido, da Justiça justiceira mas tenentista, do Capitão carismático e despreparado, e da campanha da vitimização do Lula.

Sem dúvida o 7 da autodestruição dos partidos que dominaram a cena política desde 85: PT e PSDB com as promessas não-cumpridas de um jeito de ser e de fazer diferentes; do MDB sem o P, talvez por lhe faltar pudicície conquanto lhe sobrem peitas; e do Centrão com seu pragmatismo irresponsável e criminoso.

O 7 da fusão do Collor do B com o Partido Militar, ao embalo das promessas (o estelionato eleitoral continua em alta) de um supostamente miraculoso liberalismo de almanaque que o próprio Trump exige dos demais, mas não pratica. O 7 em que poucos ou ninguém assume seus erros, enquanto simuladamente assumimos todos nosso egoísmo.

Olho para o trabalho de Pedro Geraldo Escosteguy, dos idos de 67 (inxalá não sejam vindos...), e não poderia ser mais atual.

Juntemos os cacos. A troca da guarda no Congresso expulsou do Paraíso pecadores assumidos e certificados. Levou no embalo políticos sérios como Cristovam Buarque e Eduardo Suplucy, mas barrou o caminho, provisoriamente que seja, a dinastias como as do Cruz, do Cabral e do Picciani, embora tenha mimoseado outras poucas como as do Renan e do Barbalho. Certo, o novo não é necessariamente melhor. Que seja belo (obrigado João Cabral de Melo Neto) como um caderno novo quando a gente principia.

As acusações recíprocas e infelizmente fundamentadas, no caso, forçaram o Capitão e o Mensageiro a jurar fidelidade à Constituição e a desautorizar reiteradamente as pixotadas dos seus times (fogo amigo?). A mesma Constituição que consagra a ordem democrática, a igualdade de gênero, a responsabilidade social, o desenvolvimento sustentado e os Direitos Humanos. E criminaliza o racismo, a homofobia, a xenofobia.

Comecemos por aí. É o melhor e o único começo possível.


©2017 criado por Afonso José Sena Cardoso