Auto de Resistência


Natasha Neri e Lula Carvalho fizeram um excelente documentário sobre o número crescente de autos de resistência de responsabilidade da Polícia Militar do Rio de Janeiro. Sem prejuízo da objetividade documental, o filme não esconde o ponto de vista dos autores, nem silencia sobre o drama dos familiares das vítimas.

"O Haiti é aqui" seria a trilha sonora perfeita para a sucessão de testemunhos e tomadas em tempo real resgatadas aos arquivos da polícia e autos judiciais. Policiais militares negros e pobres que batem e matam e também morrem no confronto com suspeitos e bandidos pobres e negros, seus vizinhos nas favelas, seus iguais na vida magra e de perspectivas sempre remotas.

Fica, com o silêncio envergonhado que o drama impõe, a amarga certeza de que o problema da segurança em nossas cidades apenas se agrava enquanto se procura combatê-lo como se estivéssemos em uma guerra. A lógica da violência é a da resposta em escalada. A pena de morte, oficiosa e privatizada que há muito temos, não lhe dará fim.

A única vitória sobre a guerra é a paz. Talvez não haja mais recuperação possível para muitos dos bandidos, presos ou soltos. Por si só a pobreza, o desvalimento não fazem um marginal. Mas criam e alimentam as condições mais favoráveis a que o crime, a transgressão se transformem em modo de vida, e de morte. Para todos os envolvidos. E pensar o quanto é mais barato, humano e eficiente para a sociedade, educar e assistir que encarcerar e punir...

Auto de Resistência tem também esse grande mérito: o de fazer pensar.


©2017 criado por Afonso José Sena Cardoso