"todo ser humano é inimigo"


O Filho da Mãe de Bernardo Carvalho é um ensaio sobre a guerra, o sexo e as mães dos homens. A guerra que faz de todos inimigos, e legitima a violência do terror e do quotidiano. O sexo como a resposta descontrolada da vida à destruição. As mães que insistem em ninar o filho morto, abandonado, esquecido, ainda que no corpo anônimo e desconhecido.

O excorrespondente da Folha em Paris e N. York é um dos melhores romancistas brasileiros. O texto conciso, exato, serve à narrativa, por vezes quase cinematográfica. Importam a vida das pessoas e a história de todos nós. Não surpreende, nessa perspectiva, que Bernardo nos leve à Chechênia, à amplidão majestosa e exposta de Petersburgo, ao Suriname, à Moscou ou ao Brasil.

Em toda a parte, a qualquer tempo, o mesmo destino, a miséria única, e a compaixão desarmada das mães como registro último da humanidade, inimiga.


©2017 criado por Afonso José Sena Cardoso