(...)the pure always act from love/ the damned always act from love/ the truth is an act of love.&lt


A ironia do título original (Good Times) senta melhor no Bom Comportamento exbido por aqui. O nome não faz o filme, mas os irmãos Ben e Joshua Safdie fizeram-no, com precisa maestria nas sequências de tirar o fôlego.

Por sinal, para os jovens há mais tempo, vale a referência a A Bout de Souffle. No hoje e aqui, Giovanni Rizzo do Observatório do Cinema resume à perfeição: um frenético passeio em um trem fantasma, uma corrida para reverter o desastre inicial (e de sempre) em que a narrativa emenda-se em causalidades imediatas. A trilha sonora (brilhante) reforça e amarra o rio de ação.

Acima de tudo, Good Times ou Bom Comportamento que seja é convincente, e mesmerizante como action painting. Na Nova York menos óbvia para os turistas e posta de lado pelos que com ela não têm de interagir, dois irmãos, um a quem limitações mantiveram puro à falta de opção e outro a quem o peso dos limites condenou à danação. Ambos na pobreza vitaminada e marginalizada do Primeiro Mundo. Os dois engolfados em fracasso, a sonhar com conforto de uma casa e uma vida "limpa e boa".

Uma estória amarga e suja. De jovens e velhos patéticos em sua marginalidade e desimportância. Uma estória plena de verdade. E a verdade - diz a belíssima música final - é um ato de amor.


©2017 criado por Afonso José Sena Cardoso