Os monstros de Guillermo del Toro e a festa dos mortos


Guillermo del Toro criou um nicho para ele no cinema. Povoou-o com seus monstros e criaturas saídas de nosso imaginário do horror. E tem tido grande e merecido êxito de público e crítica.

Em nossa curta revisita a Toronto, Solange e eu combinamos encontrar amigos na Art Gallery of Ontario. A AGO, suas salas e seu simpático restaurante eram um dos nossos programas favoritos na temporada canadense. Calhou de vermos uma interessante exposição sobre o cineasta (Guillermo del Toro at home with monsters). E por isso talvez tenhamos logrado entender melhor o sucesso do diretor mexicano.

Mais que um competente, Guillermo del Toro é um apaixonado pelo cinema. Aprendeu muitos dos ofícios essenciais à magia com que esse meio captura e seduz expectadores: a maquiagem, os efeitos especiais, os coelhos da cartola.

Suas personagens de horror, seus monstrinhos são , porém, mais que artesania bem resolvida. Respiram verdade, ainda que inverossímeis. Seguramente a festa e a cultura dos mortos no México - que tanto marcou outros artistas daquele país - explicará em larga medida esse mistério.

Guillermo del Toro aponta nessa direção: são o caráter e a natureza humana a verdadeira raiz da monstruosidade.


©2017 criado por Afonso José Sena Cardoso