Mas essa lua e esse conhaque...


Não é só porque essa lua e esse conhaque - como dizia Drummond - botam a gente comovido como o diabo. Toda essa digressão é pelo susto em ver o desânimo e o radicalismo na gente nas ruas e nos amigos.

Vejo-me hoje como uma puta velha. Já vi de quase tudo. Também eu pequei em atos, pensamentos e palavras. Não consigo mais acreditar no paraíso sobre a terra, nem tampouco em lideranças - cuja importância não diminuo - sacrossantas e redentoras.

Mas apesar de tudo, importa-me e muito a sorte do puteiro, seus habitantes e frequentadores.

Vivemos um desses verdadeiros momentos de ruptura que os erros e acertos dos Governos desde 1985 tornaram possível. A responsabilidade fiscal, a redução da desigualdade de renda, a inclusão de milhões de consumidores e eleitores em nossa sociedade, a profissionalização da Justiça e do Ministério Público, o fim da certeza da impunidade do "colarinho branco" e dos que se vêem como herdeiros do mundo, tudo isso pode apontar para um futuro melhor e necessariamente mais justo, com mais oportunidades para quem não as tem ou nunca teve.

Essa mudança é um processo. Não tem hora e data prá terminar. Nem muito menos se iniciará ou estará garantida pela eleição de A, B ou C, independente de seus méritos e deficiências, para a Presidência da República.


©2017 criado por Afonso José Sena Cardoso